Granéis sólidos de exportação: como funciona o transporte?

O transporte de granéis sólidos de exportação é uma operação que exige atenção e cuidados específicos.

Desse assunto, a ROCHA entende bem. Dentre nossas principais soluções oferecidas aos clientes, uma que se destaca é a armazenagem e movimentação de granéis sólidos de exportação!

Em nossos terminais, realizamos toda a operação de forma íntegra, ágil e segura, zelando sempre pela qualidade do produto, velocidade na recepção e embarque, gerando assim, maiores resultados aos nossos clientes.

Você sabe como funciona a movimentação e o transporte desses produtos até o corredor de exportação? É isso que te explicamos no conteúdo de hoje.

O que são granéis sólidos?

Primeiramente, é preciso ter em mente que as cargas a granel são transportadas em grandes quantidades, sem embalagens fracionadas. São produtos em seu estado natural, que não podem ser ensacados ou encaixotados em unidades.

Deste modo, os granéis sólidos são aqueles produtos de natureza sólida, em partículas pequenas, que são mensurados por kg. No país, os granéis sólidos mais transportados e exportados são: milho, soja, café, feijão, farelo de soja, entre outros de origem agrícola.

Minerais e matérias-primas também são cargas a granel que movimentam a nossa economia. As mais comuns são o minério de ferro, a bauxita, o enxofre e o manganês.

Como eles são transportados?

O transporte de granéis sólidos no Brasil é feito com a principal finalidade de exportar esses produtos para outras nações. Os principais granéis agrícolas exportados, nesse caso, são a soja, o farelo de soja e o milho.

Para chegarem até os portos por onde serão exportados, esses granéis primeiramente são transportados de duas formas:

 1) Por caminhões graneleiros que cruzam rodovias brasileiras;

2) Ou em vagões, pelas ferrovias que ligam o interior do país aos portos.

No caso do transporte ferroviário, os grãos são carregados em vagões de porta ou vagões hopper, com capacidade média de 55 toneladas por vagão. Ao chegar no terminal portuário, esses vagões são abertos e descarregados na moega, onde as esteiras os transportam para os silos ou armazéns alfandegados.

Como a carga é seca, é importante que todo o transporte seja feito em vagões fechados para preservar a integridade das cargas. Tanto na movimentação quanto na armazenagem, os granéis não podem ter contato com umidade e demais contaminações.

Para que os granéis sejam levados dos terminais alfandegados ao corredor de exportação no Porto, eles são movimentados com correias transportadoras, que conectam os armazéns aos navios.

Os navios que levam os granéis sólidos para os demais países são chamados de navios graneleiros. Neles, os produtos são armazenados em porões cobertos por escotilhas hidráulicas de grandes dimensões, que permitem a segurança e proteção dos produtos.

As estruturas que permitem o carregamento ou descarregamento dos navios são as correias transportadoras e os shiploaders.

Como eles são operados na Rocha?

Granéis Sólidos

No caso da ROCHA, o nosso Terminal de Granéis Sólidos de Exportação (GEXPO) é interligado ao Corredor de Exportação (COREX) do Porto de Paranaguá. Nele, possuímos dois armazéns de 73 mil toneladas cada, que são interligados para exportação de grãos. Neste ano, o Terminal está finalizando a sua expansão, onde dois novos armazéns, com a capacidade de 62 mil toneladas cada, integrarão a nova e maior estática para exportação de grãos de Paranaguá (270 mil toneladas).

Em Paranaguá como um todo, recebemos cargas para exportação de todos os lugares do país, sendo que 26% delas chegam pelo modal ferroviário e 74% pelo rodoviário.

No pátio de triagem do Porto, cada Terminal Alfandegado possui a sua capacidade de cotas rodoviárias, em que os caminhões são agendados e organizados pela ferramenta Carga Online. Esse serviço da APPA (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina) permite programar e acompanhar o fluxo de chegada e descarga de caminhões e vagões nos terminais graneleiros do Porto de Paranaguá, em tempo real.

Para realizar a descarga dos granéis sólidos, contamos com 2 tombadores para veículos bitrens, 2 moegas para caçambas e moega ferroviária para descarga de até mil toneladas por hora. Também é válido comentar que, para o exercício de 2022, o Terminal substituirá as moegas para caçamba por 2 novos tombadores, contando assim com 4 tombadores para a recepção de carga. Esta implementação está em fase final de construção.

Conectando o nosso terminal ao Corredor de Exportação, possuímos quatro correias transportadoras, cada uma com capacidade para movimentar duas mil toneladas por hora.

Toda essa atenção e cuidado com o fluxo rodoviário levou o GEXPO a conquistar a melhor média entre tempo de pátio e tempo de via de acesso no Porto, em 2020. Com uma média de 4 horas e 31 minutos para descarregamento dos veículos, somos referência em produtividade nas operações.

Sobre a Rocha

Ao longo de mais de 157 anos, a ROCHA construiu uma história fundamentada na ética, profissionalismo e reconhecimento do trabalho dos colaboradores e parceiros, sendo referenciada como uma das principais e mais modernas empresas do setor de logística portuária do país.

Nossos serviços de destaque são movimentação e armazenagem de granéis sólidos e líquidos, de importação e exportação, produtos siderúrgicos, celulose, cargas gerais conteinerizadas e big bags, bem como cargas de projeto.

Clique aqui para conhecer mais sobre a empresa.

Acompanhe a ROCHA nas redes sociais para ficar por dentro de todas as atualizações: Facebook | Instagram | LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *